Onde está minha zona de conforto?

17/07/2020

Por: Flavio Knopp, diretor de Vivenciar.net, São Paulo – Brasil.

Você se lembra de como estava o nosso ano de 2020 antes da Pandemia? Pense bem, terceira guerra mundial, incêndios na Austrália, e que mais? Quais são as suas memórias para este ano? Quais imagens ficarão em sua mente, quando estivermos na virada do ano, para 2021?

Posso tentar listar algumas: filhos estudando em casa, casais tentando trabalhar na sala ou na cozinha, papel higiênico, álcool gel, máscaras por toda a casa, reuniões online, e por aí vai. No início da quarentena e do isolamento social, essas situações foram caóticas. Ansiedade, depressão, estresse, medos, tudo ao mesmo tempo. E agora, algumas novas rotinas começam a se estabelecer dentro de casa e no trabalho. Estamos sendo obrigados a passar por mudanças. Algumas boas, outras nem tanto.

O que mudou para você? Já parou para pensar em como vai ser sua rotina no mês que vem, ou no ano que vem? Do que você sentirá falta, ou não sentirá nenhuma falta? Com o tempo, muitas coisas vão voltar ao normal, outras não serão mais as mesmas.

Quero convidar você a pensar naquilo que você fazia e que estava “mal-acostumado” por causa da rotina. Aquelas coisas que fazia por força do hábito ou que não fazia, por preguiça mesmo, ou por alguma outra razão. O que você pode melhorar em sua vida quando isso tudo passar?

Eu consigo perceber pessoas aprendendo a lidar com tecnologias. Pessoas que nunca cozinharam e agora são capazes de dominar uma cozinha. Gente aprendendo a costurar, a fazer artesanato, aprendendo jardinagem, fazendo cursos online, estudando, gente saindo de sua zona de conforto.

Ninguém gosta que mexam com suas coisas, com sua rotina. Lembra do “Quem mexeu no meu queijo?” Então, é isso mesmo. Qual vai ser a sua nova zona de conforto? E quanto tempo ela vai durar? Difícil saber. Mas quanto mais rápido você começar a perceber a mudança e reagir, mais rápido irá se adaptar à nova situação. Não podemos desfazer o sofrimento e a tristeza causados pelo Covid19, mas podemos aprender, podemos evoluir e nos preparar para novos dias que vêm por aí. Que Deus nos guie neste aprendizado.