A Covid19 em primeira pessoa

21/08/2020

Por: Antonio Schimpf – Pastor e professor de Teologia em Buenos Aires – Argentina.

Estamos passando pelo Covid19 na família. Meu filho deu positivo, depois minha esposa e eu começamos a sentir os sintomas característicos desta doença. Apesar dos muitos cuidados, o contágio ocorreu. Ligamos para o número fornecido pelas autoridades argentinas, e eles nos incluem nas estatísticas oficiais de contagiados. Nosso seguro-saúde nos liga todos os dias, e uma médica nos acompanha e nos aconselha. Isso nos dá a segurança.

Faz uma semana que fomos diagnosticados. Aquilo que víamos como algo que só acontecia com os outros, estamos vivendo dentro do nosso lar. Quando enfrentamos outras doenças, como uma gripe, já conhecemos os sintomas e nada nos surpreende. Com a Covid19 é diferente, os sintomas não são os que conhecemos e vão se alternando: dor de garganta, dor de cabeça, mal-estar, febre, cansaço e, algo inconfundível, a perda do olfato e do paladar – algo repentino e impactante.

Como acontece com o desconhecido, estamos expostos à angústia e ao medo. Algo tão pequeno, quase invisível, nos deixa absolutamente indefesos, colocando a nossa saúde e a nossa vida em risco. Mas na vida dos que creem e confiam em Jesus, situações como esta mostram que, apesar de vulneráveis e frágeis, não estamos desamparados. O “eu estou com vocês, não tenham medo” de Jesus segue ressoando em nossos corações. Suas promessas e a sua graça se multiplicam em meio a nossas debilidades. Pessoas saudáveis não precisam de médico. Nos reconhecemos doentes, e Jesus é o nosso médico, não só da alma, mas também de nosso corpo e nossa mente.

Ficamos tranquilos quando sabemos que temos um hospital e um plano de saúde para nos atender se tivermos necessidade. Mas, acima de tudo, ficamos em paz sabendo que Deus conhece tudo o que está acontecendo conosco, e ele é poderoso e bondoso para nos auxiliar em todos os momentos. Estamos em suas mãos.