""

""

Compartilhe!

Quanto mais você compartilha, mais pessoas você ajuda. Nossa missão é compartilhar esperança e ajudar a todos.

Raiva – um veneno para a alma

Zuli Crespo - Equipo Vivenciar

Quando falamos de raiva, rapidamente lembramos de alguém que está em seu carro, no meio do trânsito, reclamando com outro motorista. Ou da mãe que grita com a criança que não a obedeceu. Também podemos lembrar dos torcedores fanáticos quando seu time está perdendo. Talvez, até você mesmo esteja com raiva agora, por causa de alguma coisa que fizeram a você.
Momentos de raiva estão nas notícias, nas ruas, no escritório e dentro de nossas casas. Mesmo que seja algo natural ao ser humano, deixa de ser aceitável quando causa dano a outros e a nós mesmos. É possível aprender a reconhecer a nossa raiva e assumir que precisamos fazer algo sobre isso, seja para o bem da nossa própria saúde ou para o bem dos que convivem conosco? Vamos falar um pouco sobre isso.

32%

Quase 1/3 das pessoas afirmam que têm um amigo ou familiar com problemas para controlar a raiva e a irritação.

1 em cada 5

Uma a cada cinco pessoas já terminaram um relacionamento ou amizade por causa da forma como a outra pessoa se comportava quando estava com raiva ou irritada.

64%

das pessoas concordam que, em geral, o ser humano está ficando cada vez mais irritado ou com raiva.

O que é a raiva?

 

Segundo a Sociedade Americana de Psicologia, a raiva é um estado emocional que varia em sua intensidade. Pode ir desde uma irritação leve até o estado de fúria intensa. Como outras emoções, vem acompanhada de mudanças psicológicas e biológicas. A raiva, ou ira, é uma resposta natural quando sentimos que algo nos ameaça. Ela faz com que o corpo libere adrenalina, deixa os músculos tensos e eleva a frequência cardíaca e a pressão arterial. Os sentidos ficam mais aguçados, ao mesmo tempo em que o rosto e as mãos podem ficar avermelhados.

Todos sabemos o que é sentir raiva, pois já passamos por isso algumas vezes em nossa vida, tendo razão ou não, como resultado de um fator externo (no trânsito, quando alguém quase bate em nosso carro, por exemplo) ou por fatores internos (problemas sem resolver, preocupações, etc…). Levando isso em conta, percebemos que a raiva é muito mais do que uma simples emoção humana. Ela pode ser uma explosão que resulta de algo que está se passando em nosso interior.

Você também pode encontrar mais informações sobre situações de estresse em nossa página que trata especificamente deste assunto. Clique aqui para saber mais.

A raiva sem controle é a raiz de muitos problemas físicos, emocionais e sociais, incluindo doenças crônicas, depressão, relacionamentos infelizes, violência e atos criminosos.

Vamos falar de emoções

 

Segundo a psiquiatra Stephanie Van Ulft, em seu livreto “Get a grip! Managing moods and emotions”, as emoções são fundamentais em nossa sobrevivência e adaptação, permitindo que nos entrosemos e possamos interagir com outras pessoas e com nosso ambiente cotidiano. Sem as emoções, as pessoas não poderiam expressar amor ou tristeza, nem estabeleceriam conceitos morais. As emoções são fundamentais em nossa vida, e tratando da raiva, por ser uma entre tantas emoções naturais, nem sempre estamos agindo errado quando ela se manifesta, pois nos ajuda a compartilhar o que está nos preocupando e nos motiva a reagir e atuar positivamente, como uma força que nos leva a buscar proteção e sobreviver.

Na realidade, a chave está em saber controlar a raiva, saber como lidar com ela. Se não a controlarmos, ela age em nós de forma destrutiva. A raiva sem controle é a raiz de muitos problemas físicos, emocionais e sociais, incluindo doenças crônicas, depressão, relacionamentos infelizes, violência e atos criminosos.

“Se vocês ficarem com raiva, não deixem que isso faça com que pequem e não fiquem o dia inteiro com raiva. Não deem ao Diabo oportunidade para tentar vocês.” Na primeira parte deste texto da Bíblia (Efésios 4) podemos encontrar consolo ao compreender e aceitar como natural essa emoção que faz parte do ser humano. Na segunda parte, no entanto, somos alertados sobre como devemos tomar cuidado com o controle da raiva.

Queremos te ouvir e te ajudar!

Temos pessoas capacitadas esperando para te atender. Você poderá trocar mensagens com nossos voluntários.

O que acontece quando ficamos com raiva?

 

Um artigo encontrado no portal Universia nos descreve como um grupo de cientistas da Universidade de Iowa realizou um estudo para captar o que acontece no cérebro quando a raiva se instala em nós. Foi pedido a um grupo de participantes para realizar uma tarefa, que logo seria duramente criticada sem nenhuma justificativa válida a fim de provocar raiva nos participantes e, dessa forma, capturar a atividade cerebral deles nesse momento.

Eles observaram que, ao desencadear a raiva, certas zonas do cérebro eram ativadas: o córtex cingulado anterior, que é encarregado das emoções e aprendizado, e regula a motivação e detecção de conflitos, e também o córtex pré-frontal dorsolateral, que de forma resumida, pode-se dizer que é o responsável por decisões racionais e que pode nos impedir de deixar as emoções tomarem o controle das situações. Neste estudo, vemos que os participantes expressaram raiva diante da frustração de uma expectativa não alcançada (a tarefa realizada foi duramente criticada), e como isso ativou áreas do cérebro que envolvem as emoções e a tomada de decisões. Por outro lado, há outras reações biológicas que também são resultantes da raiva, como o aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, aumento dos níveis de adrenalina (que prepara o corpo para enfrentar esses momentos) e liberação de noradrenalina (substância que atua como fonte de energia imediata). Nunca é demais alertar que raiva, ira ou agressividade resultante de estresse estão fortemente ligados a enfermidades cardiovasculares.

 

Em seu artigo “O cérebro e a raiva”, o Dr. Luis M. Labath afirma que, como as emoções estão muito ligadas aos pensamentos, então uma situação pode ser “vivida” de formas diferentes por pessoas diferentes. Uma primeira reação do cérebro nos prepara para enfrentar a situação rapidamente, lutando ou fugindo. Logo em seguida há outra reação que dura um pouco mais de tempo e avalia a situação como um todo, dando-nos uma noção melhor de como reagir de forma mais apropriada e na medida certa. Esta segunda reação pode durar horas ou dias. Quando isso acontece a pessoa pode se irritar por qualquer coisa.

Cada um dos novos pensamentos irritantes se converte em um detonador de uma nova descarga do cérebro, e a pessoa acaba se fechando para o pensamento lógico e racional, sem considerar as possíveis consequências de suas ações. A pessoa entra em um ciclo, alimentando uma sensação de poder que pode levar à agressividade. Nesse ponto ela está regredindo à mais primitiva das formas de reação.

Além disso, a raiva pode interferir de outras formas em nosso organismo:

  • Aumento da pressão sanguínea, o que pode comprometer as artérias com o tempo.
  • Aumento dos batimentos cardíacos, taquicardia.
  • Aumento da produção de substâncias químicas, como a adrenalina, que altera o equilíbrio natural do corpo.
  • Desequilíbrio do sistema imunológico.
  • Contratura muscular, dores musculares e enxaquecas.
  • Respiração acelerada, fazendo o coração bombear com mais intensidade.
  • Aumento do risco de problemas como: gastrite, colite ou dermatite.

 

Em contraste com esta lista, podemos encontrar o lado benéfico de tentar controlar a raiva:

  • Pulsação e pressão sanguínea normais.
  • Melhores noites de sono.
  • Melhor digestão dos alimentos.
  • Melhores relações interpessoais.
  • Melhora na habilidade de resolver problemas.
  • Comunicação mais construtiva.
  • Melhora na autodisciplina e na autoconfiança.

 

O que desencadeia a raiva?

 

Já vimos que a raiva sem controle pode ser a raiz de muitos problemas, prejudicando nossa saúde, causando doenças crônicas, depressão, relacionamentos infelizes, violência e atos criminosos. Isso se complica ainda mais por causa do nosso temperamento e da nossa constituição química. Outros fatores podem influenciar muito, levando uma pessoa a ter ataques de raiva:

  • Desejos incontroláveis.
  • Exigências e expectativas irreais.
  • Exemplos familiares que tivemos em nosso desenvolvimento.
  • Dificuldade para expressar e lidar com frustrações.
  • Características hereditárias.
  • Neuroquímica cerebral ou transtornos não diagnosticados e não tratados.

Afinal, as coisas que fazemos como resultado de uma crise de raiva podem ser como um bumerangue: Lançamos contra os outros, descarregando toda a nossa frustração, mas em algum momento ele volta causando dano também a nós.

Em nosso mundo há muitos problemas que observamos facilmente ao nosso redor e que justificam, de certa forma, a nossa raiva: pessoas sem ter uma casa para morar, crianças passando fome, guerras, abusos físicos e verbais, injustiças e outras situações que vemos em qualquer noticiário. Mas, há casos em que a causa da raiva não é tão explícita assim. Quando algo abala a nossa segurança, nossa identidade ou nossa forma de ser e agir, ou quando algo parece sair da ordem natural com a qual estamos acostumados, por exemplo. Algumas dessas situações podem ser:

  • Frustração, devido à indiferença ou ao fato de que ninguém parece se importar com o que você pensa, sente ou diz.
  • Injustiça, porque você se esforça tanto, tem tanto trabalho, mas não ganha o salário nem o reconhecimento que você acha que merece.
  • Fatores sobre os quais você sente que não tem controle algum. Por exemplo, morar em uma região com muito barulho, ou numa vizinhança que não lhe agrada.
  • Orgulho ferido ou vergonha, porque alguém ofendeu você ou fez você passar por uma situação desconcertante.
  • Desilusão, quando você faz parte de um grupo e alguns tratam você muito mal, mesmo que eles não percebam isso.
  • Traição, ao sentir que não pode mais confiar em uma pessoa muito amiga.
  • Perda, porque alguém muito querido ou próximo se afastou, foi despedido do trabalho ou por falecimento.
  • Necessidade de estar certo, de ter sempre razão em uma conversa.
  • Estresse, porque a agenda está lotada, o dia está curto e você está sobrecarregado.
  • Impaciência, quando não sabemos esperar o tempo das coisas.
  • Conflito com os seus valores, por exemplo, quando você sempre chega na hora e as pessoas se atrasam e não se importam com isso.
  • Cansaço, fadiga, não consegue dormir o suficiente e você está sempre no limite das energias.

Há outras situações que também nos levam a perder o controle ou ficar irritados, como uma desilusão, cobranças constantes, ritmo acelerado de vida, inveja e ciúmes, mudanças na rotina, limitações físicas, dar atenção somente às críticas e comentários negativos, proximidade com pessoas negativas ou mal humoradas e outras situações como estas. Pense um pouco nos seus dias ou meses recentes. Você se irritou ou ficou com raiva por algumas destas razões?

Já vimos que é normal se irritar, ficar com raiva, e que todos estamos propensos a diversos fatores que nos levam a isso. Mas, se está acontecendo com muita frequência e com facilidade, podemos perder o controle e nos tornar propensos a ter explosões de raiva, reagindo com gritos e de forma violenta, insultando as pessoas, quebrando coisas e, até, agredindo aqueles que vivem mais próximos de nós.

A raiva estraga os relacionamentos

 

Até onde vai a nossa capacidade de raciocinar quando a raiva aflora? Com que frequência eu deixo a raiva tomar conta de mim? Até onde posso ir, ou já estou indo, quando fico com raiva? Estas são perguntas que nos fazem pensar profundamente, especialmente quando nossos episódios de raiva podem estar causando prejuízos ou danos a alguém. Afinal, as coisas que fazemos como resultado de uma crise de raiva podem ser como um bumerangue: Lançamos contra os outros, descarregando toda a nossa frustração, mas em algum momento ele volta causando dano também a nós. Nossas palavras são ferramentas para construir ou para destruir, e estas palavras podem conter uma variedade de emoções:

  • A própria raiva: pessoas com raiva são estão dispostas a brigar, e estão procurando uma oportunidade para produzir conflitos.
  • A irritação: as palavras ofensivas surgem quando as pessoas “colidem” com nossas vidas bem organizadas.
  • A desilusão: as expectativas frustradas machucam, e nosso espírito desiludido se traduz na nossa maneira de falar.
  • A impaciência: as pessoas ansiosas tendem a demonstrar sua impaciência através da maneira de falar.
  • O estresse: as pessoas sobrecarregadas tendem a usar palavras mais ríspidas do que aquelas que vivem em um ambiente mais relaxado e organizado.
  • A culpa: quando confrontadas com suas culpas, as pessoas respondem de forma áspera.
  • A insegurança: palavras grosseiras debilitam as relações e aumentam a insegurança.

 

Quando perdemos o controle da raiva, deixando que ela passe a dirigir nossas ações, corremos o perigo de partir para a violência, para a agressão física, atentando contra o bem-estar de outras pessoas, inclusive, da nossa própria família. Há inúmeros casos de violência familiar, onde a raiva descontrolada acaba com a vida de mães, filhos e pais.

Como, então, lidar com a raiva?

 

Aprender a expressar a raiva de forma apropriada é um imenso desafio, que vai requerer que a pessoa reconheça, aprenda a entender e procure tratar da sua raiva. Essa é uma oportunidade para refletir sobre si mesmo e para aprender a resolver os conflitos. O objetivo de controlar a raiva é reduzir estes sentimentos intensos e suas reações fisiológicas. Se você acredita que não pode se afastar nem mudar as situações e pessoas que provocam a sua raiva, você precisa aprender a controlar estas reações.

Os especialistas em saúde mental medem a intensidade do sentimento de raiva, o quanto a pessoa está propensa a perder o controle e até onde ela pode controlar essa raiva. Se você chegou até aqui, é porque reconheceu que há um problema com o mau humor e a raiva, e é possível fazer algo para controlar isso, desde que haja empenho e vontade, e que você assuma a responsabilidade de suas ações sem colocar a culpa nos outros. Geralmente, cada um de nós pode encontrar formas diferentes de lidar com a raiva, e em outros casos podemos precisar de mais ajuda, inclusive de profissionais de saúde e terapia especializada. Veja abaixo algumas formas de lidar com o “mau humor” e a raiva:

  • Reestruture seus pensamentos, especialmente os negativos. Quando estamos de mau humor, aos poucos passamos a ver tudo “preto e branco”, só enxergamos “tudo ou nada” e da maneira mais pessimista possível. Dê um pouco de espaço aos pensamentos positivos.
  • Descanse pelo menos 7 ou 8 horas. Aproveite as horas de sono. Dormir pouco contribui para a irritabilidade e o mau humor.
  • Faça exercícios e cuida da alimentação. O exercício físico promove a liberação de substâncias químicas do cérebro que ajudam a melhorar o humor, fazendo você sentir-se melhor. Uma combinação adequada de alimentos contribui para uma sensação de bem-estar.
  • Procure focar em seus objetivos mais positivos, ao invés de ficar pensando em coisas negativas. Utilize seu tempo para pensar ou fazer coisas que colaborem para o seu bem estar.
  • Se você causou mal a alguém, reconheça isso e vá procurar essa pessoa para desculpar-se. Não permita que o ressentimento, a culpa ou a raiva aumentem dentro de você.
  • Fale com alguém sobre seus problemas e angústias. Compartilhe a sua carga com alguém, isso ajuda a deixar tudo mais leve. Você pode falar com alguém da nossa equipe de voluntários.
  • Invista tempo para ajudar a outras pessoas, isso vai ajudar você a gastar sua energia em atividades que promovem o bem, e assim você vai sentir que está se esforçando em algo útil.
  • Pense um pouco, de forma prática, naquelas coisas que deixam você nervoso e irritado. Avalie se realmente vale a pena gastar tanta energia com elas, fazendo mal a você mesmo e aos outros.
  • Antes de reagir a uma provocação, pare, respire e pense no que você vai dizer ou fazer. Se for necessário, afaste-se da situação para recuperar a calma, e depois volte para tratar dela de forma mais consciente.
  • Se a sua raiva e a sua irritação vão bem além do normal, reconheça isso. Busque ajuda imediatamente com um profissional de saúde, antes que você chegue a um ponto em que é difícil reverter algum dano causado a alguém.

Já que você chegou até aqui, que tal dedicar mais uns minutinhos para fazer o teste abaixo e ter uma ideia de como está o seu nível de irritabilidade? Quanta raiva você pode absorver no seu dia-a-dia? Se o seu “Quociente de Irritabilidade” for muito alto, quer dizer que você está reagindo de forma excessiva diante das situações que você enfrenta, e muitas delas podem se tornar um campo de batalha.

A “Escala Novaco”, criada pelo Ph.D e Professor de Psicologia Raymond W. Novaco, da Universidade de Indiana, apresenta 25 situações que podem surgir frequentemente em nossa vida. Para cada uma delas, responda de forma honesta qual seria o seu nível de irritação.

 

Vamos colocar sua irritação à prova?

Form
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
Mensagem para você

A “Escala Novaco”, criada pelo Ph.D e Professor de Psicologia Raymond W. Novaco, da Universidade de Indiana, apresenta 25 situações que podem surgir frequentemente em nossa vida. Para cada uma delas, responda de forma honesta qual seria o seu nível de irritação.

Você compra um equipamento, e quando abre a embalagem e vai ligar, descobre que não está funcionando.

Você solicita um serviço, um técnico vem e quer cobrar muito acima do valor.

Você é criticado por algo que fez no trabalho, mas os erros dos outros passam despercebidos.

Você está saindo para trabalhar, em cima da hora, e o carro não dá a partida.

Você está conversando com alguém, mas essa pessoa não te responde.

Uma pessoa está contando algo, e você percebe que ela finge ser algo que não é.

Você está com um copo ou xícara quase cheios, caminhando em casa ou no trabalho, e alguém esbarra em você e acaba derrubando a bebida e sujando tudo.

Suas roupas estão penduradas, secando. Alguém passa e derruba algumas delas no chão, e nem se preocupa e pendurá-las de novo.

Você entra numa loja e um vendedor começa a te seguir e dizer “posso ajudar?”.

Você marcou um compromisso e já está chegando, quando a outra pessoa desmarca em cima da hora e deixa você na mão

Seu amigo fez uma piada sobre você e os outros estão rindo.

Você está no carro esperando alguém atravessar a rua, e a pessoa no carro de trás começa a buzinar.

Ao estacionar, você é obrigado a fazer várias manobras. Com a demora, outros motoristas começam a buzinar.

Alguém cometeu um erro e pôs a culpa em você. O chefe vem e dá a bronca só em você.

Você está tentando se concentrar, mas tem alguém ao seu lado “batucando” com as mãos ou com uma caneta na mesa.

Você emprestou um livro para uma pessoa, já faz algum tempo, e ela não devolve.

O seu dia foi super corrido e atarefado, e muita coisa deu errada. Ao chegar em casa, alguém reclama que você não fez uma coisa que havia prometido para hoje.

Em uma conversa sobre um assunto importante da casa, seu cônjuge não se importa com o que você está sentindo ou com o que você pensa.

Você está conversando e percebe que a outra pessoa insiste em dar opiniões sobre um tema que não sabe praticamente nada.

Você está tendo uma conversa muito importante, e outra pessoa vem e interrompe com um assunto banal para o momento.

Você tem um compromisso muito importante, está em cima da hora, e o carro da frente parece estar passeando, sem pressa, e você não consegue passar por ele.

Você está caminhando, e pisa em um chiclete grudento no chão.

Você passa por um grupinho de pessoas conversando e percebe que falaram algo de você, e começaram a rir sarcasticamente.

Você está com pressa para um compromisso, e ao sair de casa sua roupa se rasga porque encostou em alguma coisa, e você precisa voltar e trocar.

Seu celular está quase sem bateria, e quando você consegue mandar uma mensagem muito importante, a bateria acaba e você não pode continuar a conversa.

Para responder o Quiz e necessário fazer Login ou Cadastrar-se

Login   Cadastrar-se

Você está sob controle

Seu nível de irritabilidade é incrivelmente baixo. Uma porcentagem muito baixa de pessoas têm esse nível de irritabilidade. Se você respondeu de forma sincera e honesta, então você está de parabéns. Você tem a sua raiva em um nível bem aceitável. Procure manter esse controle, sem descuidar de sua saúde emocional, engolindo situações que, normalmente, irritariam qualquer pessoa. Se você guardar tudo para si, pode causar danos a longo prazo também.

Mantenha o controle sem exageros

Você é relativamente tranquilo, um pouco mais do que a maioria das pessoas. Nem tudo irrita você e são poucas as situações que fazem a raiva aflorar em sua vida. Parece que você sabe distinguir coisas que são importantes, das que não são tão importantes em nossa vida. Continue assim, e lembre-se de que, às vezes, é necessário extravasar um pouco sua irritação. Equilíbrio é sempre importante no manejo das emoções.

Dentro do normal

Esse é um nível normal de irritabilidade entre as pessoas. Parece que as suas reações estão normais em situações que nos fazem perder a paciência. É muito importante manter o seu nervosismo e a sua raiva sob controle, para que você não corra o risco de chegar ao seu limite. Pense sempre nas coisas que te irritam, se elas valem a pena todo esse desgaste, ok?

Mantenha o foco naquilo que realmente é importante

Você tem reagido com bastante irritação e raiva diante de situações que são problemáticas em nossa vida. Seu nível de irritação é um pouco mais alto do que a média das pessoas. Seria bom você praticar atividades que o façam relaxar, e procurar focar sua energia em coisas que realmente valem a pena. Não dê tanta importância aos pequenos inconvenientes do dia-a-dia, e valorize mais as coisas que dão certo e que ajudam você de forma positiva. Se achar necessário, procure ajuda profissional ou alguém com quem conversar sobre isso.

Cuidado com a sua raiva e irritação

Você é uma pessoa bastante irritada e que manifesta sua raiva constantemente. Aparentemente, sua vida está cheia de reações intensas e furiosas, que não desaparecem tão facilmente. Se for assim mesmo, pode até ser que você esteja tentando se vingar de alguém, e isso pode ser perigoso. O pecado nos afasta de Deus, e por isso precisamos reconhecer o mal que estamos fazendo e buscar formas de nos acalmar, de tratar essa raiva e mantê-la sob controle. Que tal procurar ajuda profissional, ou falar com alguém sobre isso?

Conclusão

E o que Mais?

Todos estamos sujeitos a situações estressantes no trabalho, no casamento, na família, nos relacionamentos ou nos estudos. Além disso temos nossas expectativas que, muitas vezes, acabam sendo frustradas em relação aos amigos, ao governo, à vida em geral e a nós mesmos. Quando as coisas não andam como queremos, ficamos com raiva e podemos ser como um vulcão que estava adormecido, e de repente explode, causando danos graves às pessoas que convivem conosco.

Se você leu todo o nosso conteúdo e acha que precisa de ajuda, não se preocupe. É importante buscar um profissional de saúde, que irá ajudar você a processar melhor as situações que tiram você do sério. Somos criaturas complexas, criadas à imagem de Deus. Mas logo depois da criação o ser humano desobedeceu à Deus e caiu em pecado. Como resultado, as injustiças e o sofrimento passaram a fazer parte da nossa vida. Mas Deus pode nos ajudar a reconhecermos que somos falhos e pecadores, e precisamos de outros seres humanos para conviver em harmonia e em comunidade. Quando perdemos essa estabilidade, essa harmonia, podemos recorrer a Deus para que ele nos ajude a encontrar as forças e a ajuda necessária para mudarmos a nossa forma de enfrentar as situações irritantes do dia-a-dia. Reconhecer que precisa de ajuda é o seu primeiro passo, e você já começou a trilhar esse caminho.